Centro de Pesquisas avalia cardíacos que já tenham tido infarte

Também serão examinados pacientes com casos de AVC ou trombose arterial. CCBR disponibiliza testes para glicose para detectar diabetes ou observar seu controle

Por O Dia , O Dia

Rio - O Centro de Pesquisas Clínicas (CCBR) fará, no próximo dia 5 (sábado), uma grande campanha para identificar pessoas com doenças cardíacas e portadores de diabetes e de obesidade para utilizar um novo medicamento para controle da diabetes, da obesidade e da gordura no sangue (triglicerídeos). Moradores do Rio de Janeiro poderão realizar exames gratuitamente para descobrir se seu nível de glicose na corrente sanguínea ultrapassou ou não o limite aceitável, pesar, medir sua cintura e conversar com uma equipe de médicos especialistas.

A campanha do CCBR é voltada para prevenção de um segundo infarte, preocupação do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde que aponta o diabetes e as doenças cardiovasculares como as principais causas de morte no mundo. No Brasil, o diabetes tipo 2 é uma das doenças que mais preocupam as autoridades de saúde porque ela cresce de forma preocupante segundo os médicos e autoridades sanitárias. Pesquisa de abril do Ministério da Saúde mostra crescimento de 62% entre 2006 e 2016. E o Rio de Janeiro é a cidade com a maior prevalência da doença (8.9%) aumentando após os 50 anos para quase 20% da população.
"Essa é uma doença silenciosa, que muitas vezes só é diagnosticada se a pessoa faz check-up e exames de rotina. E sabemos que 30% da população nunca fez um exame de sangue na vida", afirma Luis Augusto Russo, endocrinologista e diretor do CCBR.

Além dos exames gratuitos, o CCBR também irá realizar uma palestra de esclarecimento sobre a doença às 8h, com o objetivo de dar informações sobre o diabetes e seu tratamento.

O CCBR é um centro de pesquisa que realiza testes com voluntários para medicamentos de diversas doenças. Trata-se de um teste clínico que já aprovado pelo FDA (agência reguladora de medicamento dos Estados Unidos) e pelas autoridades brasileiras (Ministério da Saúde e Anvisa) e que está sendo realizado aqui no Brasil e em muitos países. "É um medicamento de última geração. Poderá ajudar muitos pacientes já com complicações da diabetes (renais, infarto, AVC) a ter uma vida melhor, já que essa é uma doença crônica que precisa ser controlada sempre", explica Russo.

O diabetes tipo 2 é uma doença que não tem cura e, uma vez diagnosticada, tem que ser tratada pelo resto da vida do doente. Ela tem mais prevalência em mulheres, em obesos e em pessoas com baixa escolaridade. Está associada com fatores genéticos e com sedentarismo. Mulheres e homens adultos têm mais chances de ter a doença. Se não tratada, a doença após alguns anos pode levar à cegueira, à insuficiência renal e a problemas coronarianos. 
O teste de glicose é bem simples. Basta um pequeno furo no dedo, e o sangue recolhido colocado num pequeno aparelho que mede a glicose quase que imediatamente. Para fazer o exame gratuito, o interessado deve marcar pelo telefone 2527-7979 (CCBR). A palestra acontece no dia 05 de outubro no auditório do CCBR (Rua Mena Barreto, 33, Botafogo). A inscrição também é gratuita, com vagas limitadas.

Para se inscrever, ligar no telefone: 2527-7979

Comentários