População não aguenta mais água podre no Rio de Janeiro

Ironicamente, em janeiro, a cidade está à beira de um colapso hídrico, com seus principais rios sofrendo com a poluição

Por O Dia

No subúrbio, onde a sensação térmica chegou a 55 graus, o calorão é um risco
No subúrbio, onde a sensação térmica chegou a 55 graus, o calorão é um risco -

Quando, no início do século 16, adentraram a boca formada de um lado pelo Pão de Açúcar e do outro a ponta de Santa Cruz, os portugueses que vieram reconhecer a costa do que viria a ser o Brasil pensavam ter chegada a um rio. O mês era janeiro e, por isso, o registro do local se firmou: Rio de Janeiro. Só depois é que se descobriu ser uma baía, a da Guanabara.

Repare bem: nossa cidade nasceu e cresceu em função das águas. Aliás, não só a cidade, mas sua baixada e arredores. Éramos um porto entre os idos séculos 16 e 19, o principal do Atlântico sul, importante parada para aqueles que se lançavam ao mar saindo da Europa rumo ao Oriente em busca de especiarias. Daqui, o ouro das minas e as produções e extrações de açúcar, pau brasil e café foram levados para a Europa.

O Rio de Janeiro, fundado em função da orla, sobrevivente em função dos rios que escoavam produtos agrícolas de seu interior, se vê na seguinte situação: sua água está podre. Sim, 2020 começou desse jeito para nós. A água, elemento estrutural da cidade, está podre.

Ironicamente, essa cidade está à beira de um colapso hídrico, com os principais rios que a abastecem sofrendo com a poluição. E em janeiro.

O guerreiro Guandú, nosso fornecedor, tem nos fornecido o que lhe chega: água ruim para ele, que sobra para nós com cheiro e gosto horríveis! Mesmo a Cedae dizendo que está própria para consumo, como explicar as milhares de pessoas passando mal pelos municípios da região?

Pessoal, muita calma! Devem ser os efeitos retardatários das comidas de fim de ano...

 

Rio 55 graus!

Não bastasse a água podre, a grande imprensa insiste na imagem falsa do verão das orlas. Vamos aos fatos? Quase 80% da população não mora ali. Portanto, prestemos atenção, por exemplo, às sensações térmicas dos subúrbios, que na semana passada chegaram a quase 49 graus em Irajá e 55 em Santa Cruz.

Fica o alerta: isso não é bom. Idosos, crianças e animais sofrem. E que as próximas notícias não estampem fotos das praias para anunciar essa situação crítica em nossa cidade. Suburbanos e suburbanas agradecem.

O mito da Cidade Maravilhosa

A ideia de "Cidade Maravilhosa" foi criada na onda das reformas do prefeito Pereira Passos e do presidente Rodrigues Alves. Só que chegamos em 2020 e já se provou a sua falsidade.

Vi uma imagem que ilustra minha fala: uma propaganda que dizia ser carioca da gema que aplaudia o pôr do sol no Arpoador. A mensagem estampava um termômetro de rua, que marcava 56 graus.

A "Cidade Maravilhosa" é um mito. A ideia é falsa. E, apesar da beleza do pôr do sol, nós daqui aplaudimos sua ida não pela maravilha, mas por ser menos um dia de sofrimento.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários