Vinicius Farah: Um olhar sobre a nova política

Só se viu algo semelhante duas vezes desde a redemocratização do Brasil: em 1990, quando o índice de renovação foi de 62%, e em 1994, ano que registou uma mudança de 54% dos deputados federais

Por Vinicius Farah*

Vinicius Farah, presidente do Detran e colunista do DIA
Vinicius Farah, presidente do Detran e colunista do DIA -
A sensação é a de ser testemunha e, ao mesmo tempo, partícipe da História. Ao tomar posse na Câmara dos Deputados, em 2 de fevereiro de 2019, eu era um dos 243 parlamentares assumindo ali uma cadeira pela primeira vez. Dos 513 nomes da legislatura anterior, 52% haviam sido rejeitados pelas urnas. Só se viu algo semelhante duas vezes desde a redemocratização do Brasil: em 1990, quando o índice de renovação foi de 62%, e em 1994, ano que registou uma mudança de 54% dos deputados federais.

De um lado da Praça dos Três Poderes, tínhamos um governo novo, eleito com um discurso de mudança e que não estava disposto a fazer ao Congresso as concessões do passado para formar maioria e governar. Do outro, um parlamento renovado, consciente dos novos tempos e da necessidade de se aprovar reformas sem as quais o Brasil não voltaria a crescer.

Sob a condução responsável do presidente Rodrigo Maia e sua notável capacidade de articulação, a Câmara conseguiu manter o equilíbrio apesar do barulho dos extremos e superou as expectativas da sociedade. Aprovou pautas difíceis, mas que impactarão positivamente a economia, a segurança, a corrupção e a vida das pessoas, como o novo Marco Regulatório do Saneamento Básico, fundamental para o Brasil finalmente adentrar o século 21 com a perspectiva de a população ter água e esgoto tratado em casa – “privilégio” que só chega hoje à metade das casas brasileiras.

Nada foi aprovado na base do rolo compressor, mas sob as prerrogativas de autonomia do Parlamento, cujo papel é ouvir a sociedade, propor mudanças nas propostas do Executivo, quando necessárias, aperfeiçoar os textos, votar, manter ou derrubar vetos.

O Legislativo cumpriu seu papel e, por isso, ele sai mais forte que nunca. Estou feliz de fazer parte deste momento, estar aprendendo tanto e, ao mesmo tempo, podendo contribuir com uma experiência de 31 de vida pública, a maior parte dela exercendo funções no Executivo.

Nesse primeiro ano desta Legislatura, não se ouviu barulho desnecessário partindo do comando do Parlamento. Não houve pautas-bombas sendo detonadas para pressionar ninguém, como no passado. O que se viu foi maturidade. Em vez de muros, foram construídas pontes. Nossa Democracia está forte, apesar de tudo, e devemos reconhecer que parte disso se deve ao papel que a Câmara tem sabido desempenhar frente aos imensos desafios que teve e ainda terá de enfrentar.
*Vinicius Farah é deputado federal (MDB-RJ) 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários