Kim Kardashian e outros famosos boicotam Instagram para combater desinformação

Ativistas acusam o Facebook de desempenhar um papel na 'incitação à violência, na divulgação do racismo e do ódio, e de contribuir com a desinformação

Por AFP

Kim Kardashian
Kim Kardashian -
Estados Unidos - Várias celebridades, como Kim Kardashian e Leonardo DiCaprio, irão desativar suas contas no Instagram por um dia, nesta quarta-feira, para pedir ao controlador da rede social, o Facebook, uma luta mais eficaz contra conteúdo de ódio e desinformação em suas plataformas.

Galeria de Fotos

Kim Kardashian Reprodução Internet
Kim Kardashian Reprodução
Jennifer Lawrence, uma das mais bonitas FOTOS AFP
Jennifer Lawrence AFP
Atriz dará pausa na carreira para fazer ativismo político Daniel LEAL-OLIVAS / AFP
Kim Kardashian Reprodução Internet
Estas celebridades, como a atriz Jennifer Lawrence e o ator Sacha Baron Cohen, aceitaram o convite de um grupo de organizações responsável pelo primeiro movimento de boicote contra o Facebook.
Em final de junho, o coletivo -que inclui organizações como a associação judaica contra o antissemitismo (ADL) e a organização de defesa dos direitos dos negros (NAACP)- lançou a hashtag #StopHateforProfit ("Pare o ódio com fins lucrativos").
Na época, várias empresas que anunciam seus serviços no Facebook suspenderam temporariamente seus contratos publicitários nas plataformas da rede social.
Os ativistas acusam o Facebook de desempenhar um papel na "incitação à violência, na divulgação do racismo e do ódio, e de contribuir com a desinformação sobre o processo eleitoral" nos Estados Unidos, que eligirá um novo presidente em novembro, explicou a ADL em comunicado.
"Não posso ficar calada enquanto estas plataformas seguem permitindo a propagação do ódio, a propaganda e a desinformação", escreveu Kim Kardashian no Twitter e no Instagram.
Esposa do rapper Kanye West e uma das personalidades mais populares do mundo no Instagram, com 188 milhões de seguidores, Kim Kardashian também irá desativar sua página no Facebook.
No início de julho, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, se reuniu com representantes do movimento, que exigiram que a gigante das redes sociais adotasse dez medidas imediatas.
Zuckerberg, porém, só aceitou uma: a indicação de um líder com experiência na defesa dos direitos civis.
Com isso, os ativistas, que pedem ao Facebook mais recursos para a luta contra o conteúdo de ódio e no combate à desinformação eleitoral, decidiram manter os protestos e seguem incentivando usuários, empresas, celebridades e pessoas influentes a boicotarem as redes sociais.
Em agosto, o Facebook anunciou ter eliminado cerca de 790 contas vinculadas ao movimento QAnon, uma teoria de conspiração a favor do presidente Donald Trump, que busca um segundo mandato.
No início de setembro, a plataforma também anunciou o endurecimento de suas normas sobre propaganda política.

Comentários