Policiais Militares vão integrar a Patrulha Maria da Penha

Homens e mulheres do 32º BPM receberam treinamento com psicólogos e assistentes sociais, para melhorar o atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica

Por O Dia

Integrantes da Rede de Proteção à Mulher conscientizam a população no lançamento da Patrulha Maria da Penha com policiais do 32º Batalhão de Macaé
Integrantes da Rede de Proteção à Mulher conscientizam a população no lançamento da Patrulha Maria da Penha com policiais do 32º Batalhão de Macaé -
Macaé — Para reforçar o combate à violência contra a mulher, policiais militares vão passar a integrar a Patrulha Maria da Penha, há dois anos e meio estabelecida com homens da Guarda Municipal. Agora o grupo, criado em parceria com a Rede de Proteção e Atendimento à Mulher terá o apoio de quatro PMs. O lançamento da Patrulha Maria da Penha - Guardiões da Vida, do 32º Batalhão de Polícia Militar, foi feito nesta segunda, na Praça Veríssimo de Melo.
"Os policiais militares atuarão em Macaé, Rio das Ostras, Casimiro de Abreu, Conceição de Macabu, Quissamã, Rio das Ostras e Carapebus. O objetivo é realizar trabalho integrado com a Patrulha Maria da Penha da Guarda Municipal, que já existe há dois anos e meio”, apontou Jane Roriz, coordenadora do Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam).
Policiais Militares do 32º Batalhão de Macaé vão integrar a Patrulha Maria da Penha, especializada na repressão dos crimes de violência doméstica e no atendimento das vítimas - Rui Porto Filho/Divulgação prefeitura de Macaé
Segundo ela, os policiais receberam treinamento para acolhimento das vítimas, monitoramento das medidas protetivas e evitar reincidências e novos casos. A montagem do grupo foi inspirada por medidas semelhantes em outras cidades do estado, que apresentaram efeito positivo.
“É uma parceria do comando da Polícia Militar e do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para possibilitar atendimento estruturado e especializado nos casos de violência doméstica”, disse Roriz.
Dados da PM indicam que as denúncias de violência contra a mulher são líderes de chamadas ao 190. No primeiro semestre de 2019, das 164.581 chamadas recebidas pelos operadores do serviço, 30.617 eram para atender ameaças contra mulheres.
“A nossa capacitação foi em Campos e, além das técnicas de abordagem, o que me chamou mais a atenção foram as palestras ministradas pelos psicólogos e assistentes sociais”, destacou a cabo Cristina Guimarães, do 32º BPM. “Estamos atuando efetivamente há 15 dias e, infelizmente, já estamos acompanhando muitos casos tristes e, muitas vezes, a mulher tem dificuldade de expor o que passa com o companheiro. Mas, vendo a figura de uma policial do sexo feminino, elas se sentem com mais coragem de tomar alguma atitude”.
Policiais Militares do 32º Batalhão de Macaé vão integrar a Patrulha Maria da Penha, especializada na repressão dos crimes de violência doméstica e no atendimento das vítimas - Rui Porto Filho/Divulgação prefeitura de Macaé
“É uma questão social muito grave. Aprendi na capacitação sobre a importância de ser ter empatia e se colocar no lugar das vítimas da violência e entender principalmente o aspecto psicológico”, frisou o sargento Carlos Sant’Anna.

Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam)
Rua São João,33, ao lado da 123ª Delegacia Legal.
Telefones: 22 2796 1045 / 22 2791 6620

Disque Mulher/Patrulha Maria da Penha
Telefone: 0800 2822 108

Polícia Militar
Telefones: 22 2765 7296 / 22 981 682 344

Galeria de Fotos

Integrantes da Rede de Proteção à Mulher conscientizam a população no lançamento da Patrulha Maria da Penha com policiais do 32º Batalhão de Macaé Rui Porto Filho/Divulgação prefeitura de Macaé
Policiais Militares do 32º Batalhão de Macaé vão integrar a Patrulha Maria da Penha, especializada na repressão dos crimes de violência doméstica e no atendimento das vítimas Rui Porto Filho/Divulgação prefeitura de Macaé
Policiais Militares do 32º Batalhão de Macaé vão integrar a Patrulha Maria da Penha, especializada na repressão dos crimes de violência doméstica e no atendimento das vítimas Rui Porto Filho/Divulgação prefeitura de Macaé

Comentários