Na contramão do país, Rio perde 2,8 mil vagas de emprego em julho

Para deputados da bancada do Rio, CDL e especialista, retomada passa por capacitação e parcerias

Por Marina Cardoso e Martha Imenes

Desempregados terão oportunidade de voltar ao mercado de trabalho na semana que vem
Desempregados terão oportunidade de voltar ao mercado de trabalho na semana que vem -

O Estado do Rio amarga uma triste estatística de desemprego no país. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), na contramão do país - que gerou 43,8 mil vagas de trabalho formal -, o Rio fechou 2.845 postos de trabalho em julho. Junto com o Espírito Santo e Rio Grande do Sul, o Rio registrou um dos piores índices do país. Mas há uma saída para reverter esse quadro e, consequentemente, a geração de oportunidades para quemestá na longa fila de pessoas sem ocupação. Segundo pesquisa de O DIA, há pelo menos 3 mil vagas disponíveis, entre temporárias e com carteira assinada.

A recuperação do nível de emprego, e a consequente recuperação do estado, também passa por medidas nas áreas de segurança, ordenamento urbano, capacitação da força de trabalho, desburocratização, por exemplo, são alguns pontos do "dever de casa" que os governos estadual e municipal precisam tomar para que o Rio volte a ser atrativo a investimentos.

Fernando Lobo, analista de recrutamento e seleção, alerta que o cenário do estado é ainda mais prejudicado por conta da falta de ações governamentais. Segundo ele, não há políticas públicas de geração de emprego e renda no governo Witzel. "Estamos no oitavo mês de governo e até agora não foi levantada nenhuma pauta sobre política pública de geração de emprego e renda. O primeiro semestre foi muito ruim e o segundo está começando pior ainda. E isso também se reflete na Prefeitura do Rio, durante esses três anos a situação é uma tragédia", afirma.

"O governo do estado precisa melhorar a segurança pública, reorganizar as finanças, modelar concessões e parcerias para atrair investimentos", pontua o deputado federal Pedro Paulo (DEM-RJ), que faz parte da bancada do Rio na Câmara. "É preciso também criar um ambiente favorável para as áreas de tecnologia, para a indústria 4.0, com centros de ensino profissionalizantes, por exemplo. Minas que também vive uma situação financeira difícil, tem conseguido atrair startups e fintechs para o estado, e isso impulsiona os negócios", acrescenta.

O também deputado federal pelo Rio Alessandro Molon (PSB-RJ) chama atenção para o papel do governo federal na recuperação das economias que passam por crise: "Juros mais baixos e melhores condições de empréstimo são da alçada do governo federal, com esses dois pontos, aliados à capacitação da força de trabalho, desburocratização, poderiam melhorar o ambiente de negócios". Molon cita também a retomada de obras públicas fundamentais, como saneamento, por exemplo. "Com essas ações daria para melhorar muito o Rio", afirma.

As sequelas da corrupção e a falta de segurança foram destacadas por Aldo Gonçalves, presidente do Clube de Diretores Lojistas do Rio (CDL-Rio). "Os governos anteriores focaram na indústria do petróleo, destinaram investimentos - que foram desviados - para este setor e deixaram a indústria de transformação de lado. E isso impactou diretamente o comércio e o setor de bens e serviços", avalia Aldo Gonçalves. "São necessárias medidas estruturais para atrair investimentos", pontua. E questiona: "Quem vai investir em um estado que não dá segurança aos seus moradores?".

Respostas das secretarias estadual e municipal
Procurado pelo DIA, o secretário municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI), Renato Moura, afirmou que a pasta busca, sempre, oportunidades no mercado de trabalho para quem está em busca de uma colocação. "Também, estamos atentos à qualificação para essas pessoas. Através de parcerias, oferecemos cursos e oficinas que preparam e qualificam os candidatos para terem mais chance de conseguir uma colocação", explica o secretário.

Já a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais (Sedeeri)afirmou que toda semana são divulgadas vagas de emprego e lançou o Programa Geração Futuro, voltado para juventude, e que tem um portfólio com 26 projetos estruturantes com potencial de gerar mais de 80 mil empregos no estado, através de PPPS (Parcerias Público-Privadas) e concessões.Para viabilizar estes e outros investimentos, os da área de petróleo e gás, o governo trabalha para criar um ambiente de negócios favorável, com segurança jurídica, competitividade fiscal e desburocratização.

Saga para conseguir um emprego
A saga para encontrar um trabalho foi ainda mais difícil para Francisco de Assis, de 54 anos, que foi demitido de uma metalúrgica em 2017. Por conta da idade, ele teve dificuldade em encontrar um local que o aceitasse. "Mandava currículos e ia em entrevistas, mas sempre diziam para aguardar retorno, mas nunca chegava. Acredito que por passar dos 50 anos, a idade pesou e era mais difícil arranjar emprego", desabafa.

Enquanto não encontrava um emprego formal, para conseguir sustentar a família e pagar as despesas de casa, Francisco vendia doces e balas nos ônibus do Rio."Fui atrás de uma renda. Além disso, desde fevereiro participo como voluntário da ação de emprego da Comunidade Católica Gerando Vidas. Em abril, finalmente consegui uma chance.Há quatro meses, estou trabalhando como auxiliar de acessoem um hospital", explica.
Mesmo assim, quando tem um tempinho livre, ele ainda ajuda nos feirões da comunidade. "Faço isso para agradecer pela oportunidade que me deram", diz Francisco, emocionado.

O caso se repete com Ednilson dos Santos, de 21 anos, que depois de um ano e meio conseguiu um trabalho em um mercado. "Consegui através da ação da Gerando Vidas e também fui voluntário lá. Comecei há uma semana lá. Mas, antes para conseguir me sustentar, eu vendia doce na Praça Saenz Peña, na Tijuca, e água de coco, em Vila Isabel", afirma.

Confira as oportunidades de recolocação
VAGAS TEMPORÁRIAS

Ri Happy
Com a chegada das vendas para o Dia das Crianças, o Grupo Ri Happy reforça o time e contrata 376 profissionais temporários no Estado do Rio. As vagas são para auxiliar de vendas, auxiliar de caixa, auxiliar de estoque, auxiliar de fiscal de loja e auxiliar de pacote. O período de exercício é do dia 2 a 14 de outubro.

Para se candidatar, é necessário estar cursando ou ter concluído o segundo grau, ser maior de 18 anos e ter experiência em loja na área de vendas, caixa ou fiscal. A empresa busca profissionais com energia, bom humor e que sempre recebam os clientes com sorriso no rosto, já que os temporários têm possibilidade de voltar no Natal e também de serem efetivados.

Quanto à remuneração, o salário será combinado entre as partes. Já o benefício oferecido é o de vale transporte. A escala vai ser de seis dias de trabalho para um de folga, com carga horária de oito horas, sendo uma para refeição.

O primeiro passo para se inscrever nas vagas é se cadastrar no site https://www.rihappy.com.br/vagastemporarias até o dia 2 de outubro.

CARTEIRA ASSINADA
Comunidade Católica Gerando Vidas
Nesta semana, a Comunidade Católica Gerando Vidas realiza três ações de emprego. A primeira ocorre no Sindicato de Telefonia do Rio de Janeiro (Sinttel), no Maracanã, na Zona Norte do Rio, e as outras duas na quadra de escola de samba do Arranco, no Engenho de Dentro.

As três começam a partir das 10h. No Sinttel, na terça-feira, serão oferecidas 230 oportunidades. Já no Arranco, serão 445 vagas na quarta, enquanto na sexta-feira cerca de 718 oportunidades.
 
SINE
A Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais, em parceria com o Sistema Nacional de Emprego (Sine), oferece 1 mil vagas, em diversas regiões do estado. Os cargos com maiores chances são de vigilante (com experiência comprovada), representante comercial autônomo (com ensino médio completo) e açougueiro desossador (com ensino fundamental completo). Na capital, terão 451 oportunidades. Já na Região Metropolitana, serão 37, incluindo para motorista de caminhão.
 
Para pessoas com deficiência, muitos dos 128 postos disponíveis não exigem escolaridade mínima. Nesse caso, o interessado deve ir ao Sine da Rua do Lavradio, nº 42, Centro do Rio, que atende de segunda a sexta, das 8h30 às 16h30.

Quem quiser se candidatar às vagas de emprego, pode recorrer aos postos ou aplicativo para celular do Sine ou, ainda, ao site Emprega Brasil (https://empregabrasil.mte.gov.br/). O interessado que fizer a reserva de vaga deve comparecer em 48 horas à unidade escolhida com os documentos necessários para a matrícula.

Atento
No Rio, a empresa de serviços Atento está com 300 vagas para o posto de operador de atendimento. Não é exigida experiência anterior, mas o candidato deve ter o Ensino Médio completo.

Como benefícios são oferecidos vale-alimentação, vale-refeição, auxílios creche e criança especial e todas as especificações da CLT. Todas as vagas estão disponíveis para pessoas com deficiência e beneficiários reabilitados da Previdência Social.

É possível se inscrever para as vagas até amanhã enviando e-mail para recrutamento@atento.com.br, com currículo, nome, cidade, telefone e DDD, ou pelas redes sociais da Atento.
 
Colaborou a estagiária Larissa Esposito

Galeria de Fotos

Desempregados terão oportunidade de voltar ao mercado de trabalho na semana que vem Cléber Mendes/Agência O Dia
Ri Happy reforça o time e contrata 3.000 profissionais temporários por todo país para atuarem no período entre o Dia das Crianças. Reprodução Ri Happy

Comentários