Operação promove limpeza da Baía de Guanabara

O LimpaOca reúne catadores de caranguejo e pescadores para retirar lixo dos manguezais da região

Por O Dia

O Projeto LimpaOca recomeçou em 2014 com a limpeza da Baía de Guanabara
O Projeto LimpaOca recomeçou em 2014 com a limpeza da Baía de Guanabara -
Rio - Entre os meses de novembro e janeiro, os manguezais da Baía de Guanabara receberão tratamento especial. A Operação LimpaOca, desenvolvido pela ONG Guardiões do Mar em parceria com a Petrobras, convoca catadores de caranguejo Uçá e pescadores artesanais que atuam na região para ajudar a retirar resíduos sólidos dos manguezais da região. Atualmente, é a maior operação de limpeza de manguezais. 
A iniciativa do Projeto Uçá, que recomeçou as atividades em 2014, que a ideia deslanchou por e, até sua quarta edição, conseguiu coletar mais de 22 toneladas de lixo na estação ecológica da Guanabara, que compreende os municípios de Guapimirim, Magé, São Gonçalo e Itaboraí. Nas edições anteriores, mais de 100 catadores e funcionários foram beneficiados, e a expectativa é que mais 30 pessoas participem neste ano. Neste ano, a edição foi adiada para garantir a desova tranquila para os caranguejos, que normalmente acontece em janeiro.
"Com a operação, pescadores e catadores têm uma renda extra para que não dependam exclusivamente dos caranguejos, uma bolsa auxílio concedida pela Petrobras. Além disso, também garantem um mangue mais seguro para trabalhar, permitem que novas tocas apareçam e novas mudas de árvores floresçam", explicou Pedro Belga, coordenador do Projeto Uçá. O representante estima que, na quinta edição, serão coletadas cerca de 15 toneladas de lixo. 
 

Do mangue para o conhecimento popular

A democratização do conhecimento é um dos quatro pilares do Projeto Uçá, e se propõe a informar a população sobre a vegetação do manguezal e a importância da sua preservação para a Baía de Guanabara. Nessa empreitada, a grande aposta do projeto é a exposição "Do Mangue ao Mar".
A mostra cenográfica, iniciativa de 2015, apresenta diversas facetas do mangue para locais públicos de grande visitação como shoppings. "Queremos mostrar o manguezal para pessoas de forma lúdica e educativa, permitindo que elas se sintam dentro da vegetação", explica Pedro Belga. Atualmente, a exposição está no Museu da Ciência Viva, em Duque de Caxias.   

Educação ambiental para a Baía

O trabalho dos catadores de caranguejos e pescadores artesanais protege o habitat do caranguejo-uçá durante o período de reprodução, mas os cuidados da população com o ambiente em que vivem deve ser o ano inteiro. 
A preocupação com o habitat dos caranguejos levou à criação da Andada de Uçá, nome dado ao momento em que a fêmea vai para a beira do rio para a desova. Nesse momento, o Projeto Uçá monta estandes em praias e praças públicas para chamar a atenção da população para preservar a Baía de Guanabara, também pela fauna local.
A medida também atua nas escolas da região. Anualmente, o projeto escolhe duas escolas municipais ou estaduais para desenvolver estratégias de educação ambiental. Dessa forma, crianças e adolescentes aprendem a transformar o local onde vivem e o entorno de suas escolas por meio de redução de descarte e do consumo. Neste ano, a ação é nas escolas municipais Barão de Iriti, em Magé, e na Paulo Freire, em Niterói. 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários