Defesa de Jeniffer Oliveira será testemunhal

Atriz se pronuncia oficialmente sobre o caso pela primeira vez e com exclusividade para esta coluna

Por

Jeniffer Oliveira
Jeniffer Oliveira -

A atriz Jeniffer Oliveira, de 19 anos, acusa Douglas Sampaio, de 25 anos, de agressão em um bar, na Barra da Tijuca, na noite do dia 23 de junho. Ela registrou um boletim de ocorrência em uma delegacia do Rio. No dia 10, Douglas prestou depoimento sobre o caso. Nas imagens do bar, Jeniffer discute com uma mulher, observada por Douglas. Na sequencia, ela bate boca com o rapaz que acompanha a moça. Este colunista conversou com o advogado João Bernardo Kaplen, que defende Jeniffer. É a primeira vez que ele se pronuncia sobre o caso. Veja a entrevista a seguir:

Por que ela não foi ao IML?

Ela não pôde ir ao IML porque tem uma extensiva e trabalhosa carga de horário. No dia dos fatos ela teve que trabalhar ao longo do dia.

Nem às seis da manhã?

A gente já anexou à investigação a carga horário de trabalho dela. A hora que ela começou a trabalhar e a hora que ela saiu.

E se ela falasse com a TV Globo que era importante pra ela? É um processo criminal...

Essa é uma questão que eu não posso responder.

Isso enfraque a defesa dela?

Não. A lei processual penal permite e estabelece que, quando não há exame de corpo de delito, a prova testemunhal pode suprir essa falta.

Um perito tem legitimidade pra falar. O senhor não concorda?

Talvez por uma questão política e de imagem, isso poderia influenciar o juiz. Tecnicamente, uma prova pericial não vale mais do que uma prova testemunhal.

Quem são as testemunhas?

São pessoas ligadas à ela que estavam no local.

Mas são amigos dela?

São amigos que testemunharam os fatos. São testemunhas dos fatos.

As imagens foram divulgadas. Há a briga dela que o Douglas cita com determinada menina. Mas não aparecem as imagens da briga dela com o Douglas.

As testemunhas disseram que, nessas imagens que foram apresentadas, não aparece a briga dela com Douglas.

O juiz quando vê uma testemunha ligada à pessoa em questão tem outro peso, não acha?

Você tem razão em parte. Mas se a única testemunha do fato é uma testemunha com uma relação íntima com a vítima e pode falar sobre os fatos, essa testemunha tem um peso relevante.

Douglas diz que é vítima de perseguição.

A prova que está sendo produzida na investigação é consistente para que o Ministério Público ofereça uma denúncia criminal e se inicie um processo criminal

Há histórico de brigas da sua cliente com outros namorados?

Segundo disseram algumas testemunhas, há um histórico de brigas entre eles mesmo. Antes inclusive desta. Não foi um relacionamento tranquilo. O que ela diz, e as testemunhas também disseram, é que houve agressão física e verbal. A física foi aperto no braço e no pescoço. a verbal foi através de xingamentos.

Em público?

Dentro do estabelecimento onde eles estavam.

Douglas diz que vai entrar contra ela. O que vocês pretendem fazer?

Se vier, com certeza virá uma reação.

Comentários

Últimas de Leo Dias