Bolsonaro diz que 'certas medidas' do STF vão levar a 'crise política de verdade'

Vídeos integram o inquérito que investiga suposta interferência do presidente da República na Polícia Federal, após denúncias do ex-ministro da Justiça Sergio Moro

Por O Dia

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro -
Rio - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que acabaria o mandato se o Supremo Tribunal Federal (STF) proibir o direito de ele ir a qualquer lugar do país e disse que espera que isso não ocorra, porque "certas medidas" da corte podem levar a uma "crise política de verdade", segundo a gravação da reunião ministerial do dia 22 de abril divulgada nesta sexta-feira pelo ministro do STF, Celso de Mello

"O dia que for proibido de ir. .. pra qualquer lugar do Brasil, pelo Supremo, acabou o mandato. E, espero que eles não decidam, ou ele, né? Monocraticamente, querer tomar certas medidas porque daí nós vamos ter um ... uma crise política de verdade. E eu não vou meter o rabo no meio das pernas", falou o presidente no encontro com ministros. 
"Isso daí. .. zero, zero. Tá certo? Porque se eu errar, se achar um dia ligação minha com empreiteiro, dinheiro na conta na Suíça, porrada sem problema nenhum. Vai pro impeachment, vai embora. Agora, com frescura, com babaquice, não!", completou.
Os vídeos integram o inquérito que investiga suposta interferência do presidente da República na Polícia Federal, após denúncias do ex-ministro da Justiça Sergio Moro. O ex-juiz federal pediu demissão do seu cargo no governo Bolsonaro no dia 24 de abril, dois dias após a reunião.
Confira os vídeos da reunião ministerial, em 10 partes:

Comentários