'Namoro, apronto e tomo porre!'

Por O Dia

Globo/Raquel Cunha
    photoshop:ColorMode: 3
    photoshop:DateCreated: 2017-10-30
    photoshop:ICCProfile: sRGB IEC61966-2.1
    signature: 63494ea634e82393fcaf465c1831ab0c33cd6a3251620d5d9429562bd3ff7a45
    stRef:documentID: D64915574743F3B4074D9BBAC7A62280
    stRef:originalDocumentID: D64915574743F3B4074D9BBAC7A62280
    tiff:Make: NIKON CORPORATION
    tiff:Model: NIKON D4
    tiff:Orientation: 1
    tiff:ResolutionUnit: 2
    tiff:XResolution: 19998266/100000
    tiff:YResolution: 19998266/100000
    unknown: 2
    xmp:CreateDate: 2012-03-21T05:30:01:20
    xmp:CreatorTool: FotoWare FotoStation
    xmp:MetadataDate: 2017-10-30T17:00:32-02:00
    xmp:ModifyDate: 2017-10-30T17:00:32-02:00
    xmpMM:DocumentID: xmp.did:9f54045f-448a-5c46-8d5e-ecf3f5846561
    xmpMM:InstanceID: xmp.iid:9f54045f-448a-5c46-8d5e-ecf3f5846561
    xmpMM:OriginalDocumentID: D64915574743F3B4074D9BBAC7A62280
  Profiles:
    Profile-8bim: 1040 bytes
    Profile-exif: 8522 bytes
    Profile-icc: 3144 bytes
    Profile-iptc: 972 bytes
Globo/Raquel Cunha photoshop:ColorMode: 3 photoshop:DateCreated: 2017-10-30 photoshop:ICCProfile: sRGB IEC61966-2.1 signature: 63494ea634e82393fcaf465c1831ab0c33cd6a3251620d5d9429562bd3ff7a45 stRef:documentID: D64915574743F3B4074D9BBAC7A62280 stRef:originalDocumentID: D64915574743F3B4074D9BBAC7A62280 tiff:Make: NIKON CORPORATION tiff:Model: NIKON D4 tiff:Orientation: 1 tiff:ResolutionUnit: 2 tiff:XResolution: 19998266/100000 tiff:YResolution: 19998266/100000 unknown: 2 xmp:CreateDate: 2012-03-21T05:30:01:20 xmp:CreatorTool: FotoWare FotoStation xmp:MetadataDate: 2017-10-30T17:00:32-02:00 xmp:ModifyDate: 2017-10-30T17:00:32-02:00 xmpMM:DocumentID: xmp.did:9f54045f-448a-5c46-8d5e-ecf3f5846561 xmpMM:InstanceID: xmp.iid:9f54045f-448a-5c46-8d5e-ecf3f5846561 xmpMM:OriginalDocumentID: D64915574743F3B4074D9BBAC7A62280 Profiles: Profile-8bim: 1040 bytes Profile-exif: 8522 bytes Profile-icc: 3144 bytes Profile-iptc: 972 bytes - Raquel Cunha/TV Globo

'Treze Dias Longe do Sol' é eletrizante. Como é participar de uma produção dessas?

Foi um prazer enorme participar dessa série. Eu acho uma série muito bem construída. Única! É uma história impressionante. Sou muito fã do casal Luciano Moura e Elena Soarez, porque foram eles que escreveram a série. Já tinha vontade de trabalhar com eles há muito tempo. Saulo é um personagem fascinante. Não trabalhava com a Carolina Dieckmann desde 'Tropicaliente'... Vários fatores me fizeram aceitar esse papel.

Você não é um ator que figura fácil na TV. O que te levou a aceitar esse papel?

Acho um personagem muito rico, dúbio. E naquela condição precária, no limite... Achei muito interessante. É um personagem denso, e logo que eu li, me interessei em fazer.

A série está na íntegra no Globo Play. Você já tem recebido retorno sobre o Saulo?

Tenho recebido, sim. Muita gente tem visto pela Globo Play, mas acho que a audiência maior vai ser quando ela estrear na Globo, em janeiro. O maior 'boom' é sempre na TV aberta.

Saulo desviou dinheiro da obra do prédio para sua própria conta. Mas quando o prédio caiu, o 'vilão' virou herói e saiu salvando os soterrados. Afinal, ele é mocinho ou bandido?

Ele é o que o público decidir que ele é. Saulo é um personagem dúbio. Os meios que ele fez aquilo foram meios vis. Mas ele aprendeu muito com aquilo ali também. Então eu não sei o que ele é. Ele é humano: erra, acerta. Eu costumo dizer que é uma série de pessoas soterradas, mas quem está lá em cima também está soterrado. Os personagens de Deborah Bloch e Paulinho Vilhena estão igualmente soterrados por outros motivos: pela culpa, pelo envolvimento naquilo tudo... Acho os personagens muito bem delineados.

Como foi gravar essa série? Seu personagem passa a maior parte do tempo sob os escombros.

Não sou muito claustrofóbico, não. O público não imagina como foi essa gravação. Tudo aquilo era feito em estúdio. Claro que a gente chegava, se sujava, fazia uma maquiagem de machucado... Mas em estúdio. A gente não vivia como os personagens estão. A gente gravava as cenas e voltava para o camarim. Foi muito bem coordenado pelo Luciano, que dirigiu a série. Aquela sensação claustrofóbica que foi vivida na série a gente não viveu.

O cinema te encanta mais do que a TV?

Não. O que me encanta mais são bons trabalhos. Existe cinema bom e cinema ruim. Existe boa TV e má TV. Me encanta fazer bons projetos e isso eu encontro tanto no cinema quanto na TV, como em 'Treze Dias Longe do Sol', 'Os Maias', 'Ligações Perigosas' e tantas outras coisas boas que eu fiz na TV.

Qual é o seu próximo lançamento no cinema?

Ainda não tem. Todos os filmes que eu tinha feito foram lançados este ano. Agora, eu estou viajando um pouco com 'O Filme da Minha Vida' (que ele dirige).

Você começou em novelas aos 9 anos. Por que decidiu 'abandonar' as novelas?

Eu não abandonei exatamente as novelas. Mas há uns 15 anos eu comecei a ter vontade de fazer coisas mais curtas. O que me pega sempre é a duração. Uma minissérie como essa foram dois meses, dois meses e meio de envolvimento. Depois dali, eu já fiz um filme, já escrevi um negócio... Esse dinamismo é que acaba prevalecendo nas minhas escolhas.

Por que nunca se casou?

Essa é a pergunta clássica. A resposta é... não sei. A vida foi indo assim. Tá bom assim. Não tenho pressa disso. Pode ser que eu nunca case ou que case na semana que vem.

Tem vontade de ter filhos?

Filhos é a mesma coisa da resposta anterior. Não sei quando, como, se acontecer... Não é uma coisa que eu tenha planos ou que sonhe com isso.

Pouco se tem notícia de sua vida pessoal. Você não namora? Não apronta? Não toma um porre?

Namoro, apronto e tomo porre! Só que eu não vou no lugar onde estão os paparazzi. E eu sou mineiro. Mineiro já nasce low profile. Sim! Eu namoro, tenho rolo, casinho... As pessoas não sabem porque eu não fico dando pinta por aí. Eu acho que, na verdade, isso não é a coisa mais importante. O meu trabalho deve vir na frente.

Teoricamente, o que se sabe é que você mora sozinho. É bagunceiro ou arrumadinho?

Teoricamente não! Eu moro sozinho! Sou mais pro arrumadinho, viu? É meu lado virginiano. Tenho um prazer especial em organizar. Pego a papelada e transformo tudo em um papel só. Tiro um dia para arrumar as roupas também. Eu sou mais pro arrumadinho.

Você cozinha? Que prato você sabe fazer?

Nada! Sou péssimo na cozinha. Não sei fazer nada, mas eu sei comer. Minha especialidade é chocolate. Sou uma formiga. No cardápio, eu olho primeiro a parte de sobremesas. Se a sobremesa for boa, eu peço salada pra poder comer a sobremesa depois. Eu sou tarado por chocolate.

Você vai estar na próxima novela da Manuela Dias?

Não estou sabendo de nada. Amo a Manuela Dias. Ela é um grande talento e vai longe ainda. Fiz o 'Ligações', que foi adaptado por ela. Depois assisti ao 'Justiça', que foi um trabalho lindo. Tenho certeza de que ela vai fazer uma estreia brilhante no horário nobre. Ela tem uma energia muito forte e é uma cabeça criativa. Manuela Dias tem a minha torcida. Adoro ela pessoalmente também. Virou uma amiga. É uma pessoa para quem eu torço muito.

Fala um pouco sobre a série 'O Mecanismo', que estreia ano que vem no Netflix?

Não posso falar muito dessa série por causa do contrato com a Netflix. É uma série com José Padilha, que é um diretor que eu adoro. Vai estrear no mundo todo, numa plataforma muito forte. Eu faço o protagonista e acho que é uma série que o povo vai gostar muito.

Em algum momento você pensou em dar um tempo na carreira?

Pensei em muitos momentos. Muitas vezes, eu dei um tempo na carreira, mas as pessoas não se deram muito conta. E pelo fato de também ser diretor, é bom. Posso fazer isso de uma forma mais orgânica. Eu fiquei três anos da minha vida somente dirigindo 'Sessões de Terapia', que eu amei fazer. Foi uma escolha. Dirigi sozinho 115 episódios. Foram três anos da minha vida que eu não atuei. Quando deu vontade de atuar, eu voltei. Esse fato de pular para frente e para trás das câmeras é uma coisa muito boa.

Você tem alguma mania?

Não tenho muitas manias, não. Talvez eu tenha mania de organizar. Quando vejo a mesa ou a casa muito bagunçada, me dá uma aflição. Quando está tudo muito bagunçado, fica difícil eu me organizar. É difícil pra cabeça. Uma outra mania talvez seja Whatsapp. Acho uma invenção maravilhosa. Eu acho telefone chatíssimo. Quando a pessoa liga, eu já acho chato. O áudio é a melhor invenção dos últimos tempos, porque aí você pode deixar um áudio para a pessoa, a pessoa ouve no tempo em que ela puder e responde no tempo em que ela puder. Assim, você desenvolve uma conversa sem precisar parar o que você está fazendo para falar no telefone. Talvez seja uma outra mania.

Você lê revistas de celebridades? Gosta de saber quem está com quem?

Na espera do dentista eu leio. Acho divertido ler e saber quem está ficando com quem. Eu não compro. Não é uma coisa que faz parte do meu repertório. Acho que, às vezes, a turma se expõe demais. Mas não julgo. É a escolha de cada um.

Comentários