'Meu principal adversário sou eu'

Por O Dia

Amanhã é a vez do time feminino mostrar sua força no 'Dança dos Famosos'. A coluna conversou com Isabella Santoni sobre a competição e as dificuldades do próximo ritmo: o country. Apesar de solteira, o público não precisa esperar o recurso do selinho no fim da apresentação. Confira:

Qual foi o ritmo mais difícil até agora?

Por incrível que pareça o mais difícil foi o funk! Fiquei surpresa, pois é um ritmo que danço em festas, comum de dançar, mas a coreografia exigia um preparo físico grande. Fiquei com a panturrilha lesionada de tanto que eu desci até o chão.

Sua avó foi te assistir no rock. Você sabia que ela estava na plateia? Ficou nervosa?

Sabia sim! Foi aniversário dela e combinamos de comemorar em São Paulo. Dei a ela um dia de princesa num spa relaxante e no cabeleireiro. Fiquei tensa de não errar nadinha, queria deixá-la orgulhosa.

Quem é seu principal adversário na competição?

Meu principal adversário sou eu mesma. A cada semana a exigência aumenta, tanto do meu preparo físico e consciência corporal, quanto de surpreender o público.

Como vai ser a coreografia do country? Muitos aéreos?

O country é caracterizado por um corpo mais armado, mais forte, característico. Temos alguns aéreos sim, mas não é o foco do ritmo como foi no rockabilly. Vamos repetir um passo que não conseguimos executar tão bem.

Criou-se o mito de que o selinho no fim da coreografia garante o 10. Vai ter selinho?

Eu não concordo com esse mito, acho que não tem nada a ver. Não tem selinho aparente, mas contamos uma historinha na coreografia.

Comentários